Ceará negocia voos internacionais de baixo custo com duas companhias aéreas

Além da rota Fortaleza-Londres pela Norwegian Air, o Governo do Ceará está negociando com outra companhia aérea low cost (baixo custo) para operar no Estado. A informação é do secretário estadual do Turismo, Arialdo Pinho, que reforça a expectativa de que o novo voo internacional possa ser viabilizado ainda neste ano. No Brasil, quatro companhias internacionais estão em processo de regularização junto à Agência Nacional de Aviação (Anac) para atuar neste formato no mercado brasileiro.

O secretário explica que, por questões estratégicas, ainda não pode adiantar o nome da empresa. Mas o que se discute são novos voos diretos do Aeroporto de Fortaleza para a Europa em rotas ainda não cobertas. "Ainda não podemos falar porque não está fechado, mas as negociações estão bem adiantadas, mais até do que com a Norwegian", diz Arialdo.

A companhia norueguesa, que é a terceira maior low cost da Europa e a sexta do mundo, deve começar a sua incursão no mercado aéreo brasileiro com uma rota que interliga Londres ao Rio de Janeiro. De acordo com entrevista concedida pelo CEO do grupo, Bjørn Kjos, ao site FlightGlobal, a expectativa é implementar os voos na primavera europeia de 2019, ou seja, entre os meses de março a junho.

Segundo Arialdo, o foco é fazer de Fortaleza a segunda rota no País. No último dia 28, foi realizada uma reunião com a diretoria da empresa durante agenda na Suécia. Dentre outros benefícios, foram propostos investimentos nos três primeiros anos para promoção e atração de passageiros. "Mas este tipo de negociação é lenta mesmo, depende de reunião de diretoria, de conselho. Nós mandamos a proposta, mas a decisão é deles. Acredito que isso entra no próximo ano. O Rio de Janeiro já é uma escolha deles, mas estamos tentando ser a segunda cidade", explica.

A Norwegian conseguiu autorização jurídica e de funcionamento da Anac a fim de operar voos internacionais de longo curso entre Brasil e Europa no último dia 8 de agosto. Porém, para voar regularmente, falta apresentar o plano de operação. E, apesar de já ser possível fazer voos não regulares, a empresa ainda não solicitou rotas.

Em nota, a Norwegian informou que ainda não é possível dar mais detalhes da atuação no Brasil, mas o próprio CEO do grupo, Bjørn Kjos, reafirma um grande interesse e planos da companhia para operar em breve no País.

Além dela, também estão em processo de regularização a chilena Sky Airline, e as argentinas Avian (subsidiária da Avianca) e Flybondi. Para atuar no País, as empresas precisam de três autorizações: funcionamento, jurídica e operacional. A Flybondi é a única que possui apenas a primeira. Para as demais, só falta a última.

Fonte: https://www.opovo.com.br/jornal/economia/2018/09/ceara-negocia-voos-internacionais-de-baixo-custo-co